FECHAR

.....

.....

.

.

ÚLTIMAS

COLUNA: Prospostas do candidatos à Presidência para a saúde e educação do Brasil




Segundo o levantamento do IBOPE, a saúde e a educação são as áreas que mais preocupam os eleitores do país. Apesar das propostas nem sempre serem cumpridas pelos presidenciáveis, são uma amostra da preocupação dos candidatos com determinados assuntos.

Nos últimos dois anos, a saúde e a educação do país sofreu diversos golpes como o congelamento dos investimentos por 20 anos com a Emenda Constitucional 95 (EC 95 / PEC da morte) que significa a impossibilidade do SUS e do ensino público e gratuito de cumprir a garantia da saúde e da educação como direito universal.

Estima-se que a aplicação da EC retira somente do SUS aproximadamente R$ 400 bilhões em 20 anos. A EC 95 foi aprovada por aqueles que nós brasileiros colocamos no poder, provando assim que nossa escolha de voto define os rumos que a saúde, a educação e outras áreas irão tomar.

Vejamos quais as propostas dos principais candidatos para a saúde e para a educação:




Você sabia? 


Apenas Fernando Haddad, Guilherme Boulos, Marina Silva e Ciro Gomes apresentam projetos de apoio à agricultura familiar.

Apenas Ciro Gomes, Fernando Haddad e Guilherme Boulos apresentam propostas para erradicação da FOME no país.

Apenas Ciro Gomes, Fernando Haddad e Marina Silva apresentam propostas para a Nutrição no país.


Mylena Félix é Nutricionista e colunista do Jornal Folha Regional

_________
Referências
BRASIL. A segurança alimentar e nutricional nos programas de candidatas e candidatos à presidência da república. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.  Brasília, 2018.
SCHEFFER, M et al. A SAÚDE NOS PROGRAMAS DOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL EM 2018: uma análise sobre a relevância das proposições para a melhoria da rede de serviços e da saúde da população. ABRASCO, 2018.
EDER, N et al. Manifesto functions: How party candidates view and use their party’s central policy document. Electoral Studies, 2017.
COSTA, A. M. A saúde em tempos de golpe. Revista Saúde, V. 41, N. 112, P. 5-12. Rio de Janeiro, 2017.

Nenhum comentário