FECHAR

.....

.....

.

.

ÚLTIMAS

Com Lula preso e ato político em Brasília, PT registra candidatura no TSE


Representantes do PT e do PCdoB pediram na tarde desta quarta-feira (15) o registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está preso desde abril e, em tese, inelegível pela Lei da Ficha Limpa.

O registro foi pedido por um grupo formado pelo ex-ministro Fernando Haddad (PT), vice na chapa e que deve substituir Lula em caso de veto da candidatura; Manuela D'Ávila (PCdoB), que vai assumir a vice após uma definição da Justiça sobre a situação de Lula; as presidentes do PT e do PCdoB, Gleisi Hoffmann e Luciana Santos; o deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR), filho do ex-ministro José Dirceu; e os advogados Luiz Fernando Casagrande Pereira e Fernando Neisser.

Haddad foi apresentado ao tribunal como candidato a vice-presidente.

Após o pedido de registro, Gleisi confirmou que a certidão criminal de Lula entregue ao TSE é a do domicílio eleitoral do petista -- ou seja, do estado de São Paulo. Desta forma, a certidão não inclui as condenações de Lula na Operação Lava Jato, que foram dadas por tribunais da região Sul.

Após deixar o prédio do tribunal, Gleisi exibiu o papel que comprova o pedido de registro à militância como um troféu, e foi saudada de forma efusiva. "Lula é candidato", gritou a senadora.

"Eles achavam que iam nos destruir, que nós não iríamos resistir, mas nós ficamos de pé, como povo brasileiro, que é corajoso, que enfrenta todas as adversidades. Nós enfrentamos esses golpistas porque queremos acabar com o retrocesso dos direitos sociais", declarou Dilma.

"Eles podem ter nos dado um golpe em 2016 [...] mas estão derrotados porque não tem um candidato dos golpistas que pode enfrentar o candidato do Partido dos Trabalhadores", completou, ouvindo de volta gritos de "fora, Temer".

Segundo a petista, os "golpistas" criaram um candidato de extrema direita, que defende tortura e a ausência de direitos para as mulheres, referência indireta ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro.

Candidata ao Senado por Minas Gerais, ela empolgou a multidão ao dizer que vai "lutar contra os dois golpistas principais e derrotá-los mais uma vez".

Marcha no DF reuniu ao menos 10 mil pessoas

O PT buscou transformar o registro de Lula em um grande ato político, com milhares de militantes e lideranças aliadas de Lula reunidas nas imediações do TSE.

Os militantes caminharam pela Esplanada dos Ministérios até chegar ao tribunal. A PM-DF estimou em 10 mil o número de manifestantes. O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), que organizou a marcha, informou que havia cerca de 50 mil pessoas na passeata.

Mais cedo hoje, o PT divulgou um manifesto defendendo que Lula dispute as eleições mesmo se seu registro de candidatura for negado pela Justiça Eleitoral, e argumenta que a inelegibilidade do ex-presidente pode ser revertida até o dia 19 de dezembro, quando são diplomados os candidatos eleitos. A tese já havia sido defendida pelo advogado Luiz Fernando Casagrande Pereira, que trabalha no registro de candidatura de Lula, em entrevista ao UOL em julho.

De manhã, Haddad disse que o "movimento" para eleger de novo o ex-presidente não vai parar, seja qual for a decisão da Justiça.

Os participantes do ato carregaram inúmeras faixas pedindo a liberdade de Lula, além de bandeiras do Brasil, do PT, do PCdoB e de movimentos sociais.

Entre os governadores, estavam presentes os da Bahia, Rui Costa (PT); de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT);  do Piauí, Wellington Dias (PT); do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB); e do Ceará, Camilo Santana (PT).

A partir de amanhã, os candidatos estão liberados, por lei, para fazer campanha e pedir votos. Neste primeiro dia, Haddad deve visitar Lula em Curitiba. Na semana que vem, deve fazer uma viagem pelo Nordeste -- principal reduto eleitoral petista.

Lula está preso há mais de quatro meses por causa da condenação em segunda instância no caso do tríplex, da Operação Lava Jato. Sua defesa afirma que não há provas dos crimes imputados ao ex-presidente e recorre da sentença.

Mesmo preso e potencialmente inelegível, Lula lidera os cenários das pesquisas de intenção de voto em que seu nome é apresentado aos entrevistados. Sem Lula, o líder é Jair Bolsonaro (PSL).

UOL

Nenhum comentário