FECHAR

.....

.....

.

.

ÚLTIMAS

COLUNA: Você é uma pessoa preocupada?



A preocupação está em todo lugar. Todos nós nos preocupamos. Você não está sozinho. Mas, quando a preocupação é excessiva, pode atingir os vários aspectos da sua vida, limitando seu prazer e sua satisfação. Assim, é possível pontuar que a preocupação é um componente central de todos os transtornos de ansiedade e da depressão.

Mas, por que nos preocupamos? Você pode ter sentimentos confusos em relação as preocupações. Por um lado, suas preocupações trazem incômodo, por exemplo, você não consegue dormir, nem expulsar os pensamentos pessimistas da cabeça. Porém, em algum momento tais preocupações podem fazer sentido pra você, quando você pensa: “talvez eu encontre a solução”; “não quero deixar escapar nada”; “se eu continuar pensando um pouco mais, talvez consiga compreender”; “não quero ser pego de surpresa”.

Diante disso, é possível perceber que as pessoas preocupadas têm dificuldade para lidar com a incerteza. De fato, preferem ter a certeza de um desfecho ruim a encarar a possibilidade de um desfecho incerto que poderia ser positivo. Mas, será que isso funciona? Você pode estar coletando informações erradas, focalizando coisas erradas e assumindo que o rio é perigoso antes de entrar na água. Na verdade, você pode se preocupar tanto que nem vai experimentar a água. Assim, invés de estar motivado, você acaba procrastinando coisas que seriam importantes e, em vez de resolver os problemas, a preocupação acaba produzindo mais problemas para resolver.

Entretanto, vale pontuar que o fato de se preocupar pode não ser totalmente ruim, pois as preocupações podem ser produtivas e improdutivas. A preocupação produtiva é aquela que lhe conduz a ação, ou seja, leva a buscar a solução para os problemas. Já a preocupação improdutiva é aquela que gera uma porção de “e se” que não conduz a qualquer ação prática concreta.

Com base nisso, cabe pensar que invés de se preocupar com o problema, talvez seja mais viável se preocupar em encontrar as soluções do mesmo. É importante que você se preocupe de modo mais eficaz, sendo capaz de determinar quando deve prestar atenção a uma preocupação em particular e quando descartá-la, bem como, estar preparado para aceitar soluções imperfeitas e reconhecer o que se pode controlar e o que não se pode.

Sendo assim, ter preocupações é normal. Mas, quando tais preocupações são excessivas, levando ao aumento da ansiedade, estresse, depressão, entre outros, pode ser o momento de buscar ajuda profissional. Cuide de você! Sua saúde mental é importante!

...........
LEAHY, R. L. Como lidar com as preocupações: sete passos para impedir que elas paralisem você. Porto Alegre: Artmed, 2007.

__________
Priscylla Duarte atende em Chã Grande e em Pombos

Nenhum comentário